LyricMoods



O lyricmoods trata de partilha de lyrics de songwritters (ilustres ou nem por isso), canções que me acompanham, das quais gosto, das quais tirei conteúdo, das quais disfruto dia após dia, com as quais me identifico...








   

<< May 2017 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04 05 06
07 08 09 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31


O Outro Lyric

Lyricsounds


Blog Neighburs


Com Musica

A Ampola Faz Pop
A Forma do Jazz
Alta Fidelidade
A Trompa
Beep Crónicas
Coisas do Puto
Concrete Sky
Dear 80's
Ginger Ale
Intervensões Sonoras
Juramento Sem Bandeira
oCulto
Ponte Sonora
Problemas de Expressão
Via Rápida
Vidro Azul


Com Piada

Anti-Escutas
Blog do Bide
Desblogueador de Conversa
Eurico Cebolo Fan Clube
Farinha Amparo
Gato Fedorento
Il Matto
Pirilampo Mágico Project
Xobineski Patrusca


Com Cinema

Antestreia
Cine JRB
C7nemania
Mulholland Drive
Pipoca Rasca
Punk Drunk Movies


Com Muita Substância

Angústias de um Professor
[Avena]'s
Copy/Paste
Fruto Xocolaty
Hipotenusa
Mentecapto
Oblogalternativo
Pecola
Sem Pénis, nem Inveja
Supertatas
Words Of Darkness
3 Tesas Não Pagam Dívidas


Com Bola

Briosa Soccer
Académica Sempre
Simplesmente Briosa
Terceiro Anel









Contact Me

If you want to be updated on this weblog Enter your email here:

blogdrive

Tuesday, November 30, 2004
Azure Ray - November

Para terminar o mês em beleza, escolhi uma lyric com o mesmo nome: November. A autoria da mesma pertence a duas meninas que já passaram por aqui: as Azure Ray. Completamente arrebatado que fiquei com o último álbum Hold On Love (2003), a busca por mais trabalhos de Orenda Fink e Maria Taylor tornou-se rapidamente uma necessidade. E por cada álbum que fui ouvindo, maior foi ficando a admiração pelas duas.
O EP November (2002) é uma autêntica pérola, uma óptima companhia para tardes de "dolce fare niente", para as tardes frias e cinzentas do Outono (..."these rainy days..."). E é nestes casos que mais do que falar, se deve é ouvir (a minha gata também parece estar a gostar)


P.S.- Amanhã é dia de Kimmo Pojhonen no TAGV... estou em pulgas :)





Azure Ray - November


So i'm waiting for this test to end
So these lighter days can soon begin
I'll be alone but maybe more carefree
Like a kite that floats so effortlessly
I was afraid to be alone
Now im scared thats how id like to be
All these faces none the same
How can there be so many personalities
So many lifeless empty hands
So many hearts in great demand
And now my sorrow seems so far away
Until i'm taken by these bolts of pain
But i turn them off and tuck them away
till these rainy days that make them stay
And then i'll cry so hard to these sad songs
And the words still ring, once here now gone
And they echo through my head everyday
And i dont think they'll ever go away
Just like thinking of your childhood home
But we cant go back we're on our own

Oh,
But i'm about to give this one more shot
And find it in myself
Ill find it in myself

So were speeding towards that time of year
To the day that marks you're not here
And i think i'll want to be alone
So please understand that i dont answer the phone
I'll just sit and stare at my deep blue walls
Until i can see nothing at all
Only particles some fast some slow
All my eyes can see is all i know

Ohh..
But i'm about to give this one more shot
And find it in myself
I'll find it in myself


Posted at Tuesday, November 30, 2004 by LyricMoods
Make a coment

Tuesday, November 23, 2004
The Libertines - Can't Stand Me Now

"O que nasce torto, tarde ou nunca se endireita"! No mundo da musica temos carradas de casos de bandas que aparecem e desaparecem sem deixar rasto, sem singrar. Mas temos também casos de bandas que singram mas não passaram do primeiro take. Os londrinos The Libertines são um desses casos.
Formados em 2002, na explosão da nova vaga Rock (The Stokes,The Vines,The Datsons, etc) logo fizeram furor com o single "What a Waster". Mas a partir dai tudo começou a correr mal à banda (em termos internos e pessoais, já que a nível criativo cada vez ficou melhor). Tudo porque Pete Doherty, o vocalista, passava quase todo o tempo a fazer asneiras (faltar a concertos; assaltar os próprios colegas da banda que lhe valeu uma ida à prisa; criaçaõ de uma banda própria que começou por designar Libertines, só depois mudando para Babyshambles; e claro está as recorrentes visitas a clinicas de desintoxicação de drogas). Os restantes 3 elementos da banda também se cansaram de aturar Doherty e decidiram avançar para a tournée deste ano referente ao lançamento do primeiro album de originais da banda com nome homónimo. Quem os viu por cá no Paradise Garage não deu por bem entregue o seu tempo, porque sem Doherty a banda perde fulgor e por mais que queiram Carl Barat, John Hassal e Gary Powell não têm a presença do antigo vocalista. Às vezes sucesso a mais dá cabe de uma banda, e acho que foi isso que aconteceu com os The Libertines.
Não basta-se isso, a banda está neste momento totalmente parada porque Carl Barat teve um acidente doméstico que lhe afectou a visão (já foi operado duas vezes), mas já se começam a ouvir rumores de um segundo album, será?? Como lyric deixo-vos a grande Can't Stand Me Now.




 


The Libertines - Can't Stand Me Now



An ending fitting for the start
You twisted and tore our love apart
Your light fingers through the dark
Shattered the lamp into darkness, they cast us all
No, you've got it the wrong way round
You shut me up, and blamed it on the brown
Cornered the boy, kicked out at the world
The world kicked back a lot fucking harder now

If you wanna try
If you wanna try
There's no worse you could do
Uh oh oh

I know you lie
I know you lie
I'm still in love with you
Uh oh oh

You can't take me anywhere, I take you anywhere
You can't take me anywhere, I can take you anywhere
I'll take you anywhere you wanna go

No, you can't stand me now, no you can't stand me now
No, you can't stand me now, no you can't stand me now
No, you can't stand me now, no you can't stand me now
No, you can't stand me now, no you can't stand me now

Have we enough to keep it together
Or do we just keep on pretending
And hope our luck is never ending, no

You tried to pull the wool, I wasn't feeling too clever
And you take all that they're lending
Until you needed mending

If you wanna try
If you wanna try
There's no worse you could do
Uh oh oh

I know you lie
All you do is make me cry
All those words that ain't true

You can't take me anywhere, I can take you anywhere
You can't take me anywhere, I can take you anywhere
I'll take you anywhere you wanna go

No, you can't stand me now, no you can't stand me now
No, you can't stand me now, no you can't stand me now
No, you can't stand me now, no you can't stand me now
No, you can't stand me now, no you can't stand me now

 


Posted at Tuesday, November 23, 2004 by LyricMoods
Comments (1)

Thursday, November 11, 2004
Mesa - Luz Vaga

Um dos males mais nefastos dos ficheiros audio digitais, pelo menos para mim, foi passar a ouvir muito menos rádio... é um facto. Para tentar inverter esse panorama decidi comprar um rádio portátil (raios que nunca mais consigo arranjar dinheiro para um Ipod, ou um Muvo, ou algo do género com uns 30 ou 40 GB). E lá vou pelas ruas de Coimbra, no comboio, nas cantinas, por todo o lado, com uns phones nos ouvidos, quase sempre sintonizado na Antena3. Mas o que não era suposto era ser quase atropelado ou ainda pior ver uma senhora a rir-se para mim por ir a cantarolar uma musica... Mas era uma senhora musica, uma daquelas que conheço as nuançes todas, daquelas que quando nada tenho na mente salta logo para o meu pensamento... a musica era Luz Vaga dos Mesa.
Volto então à carga ao álbum de estreia da banda de Mónica Ferraz, João Pedro Coimbra e companhia. Vai já na 3ª edição, inteiramente merecida, tendo como bónus uma versão de Luz Vaga ( a tal que ia a ouvir) com Rui Reininho (cada vez que o vejo na tv está sempre "muito alegre" o homem) e inda um cd-bonus com uma gravação ao vivo no programa 3 pistas do Henrique Amaro (essencial no lançamento dos Mesa) ao vivo na Antena 3. A mudança de editora (Zona Musica para a EMI) dá o "conforto" à banda para continuar a desenvolver a sua musica (queremos mais Mónica)... Para quem ainda não tem, já sabem: compra obrigatória!
Quem quizer opinar sobre esta lyric está à vontade... a mim, só me lembra uma palavra: angustia.





 

Mesa - Luz Vaga

Luz vaga
luz vesga
a tua cruz
Já não sai
da cama a minha luz
Da sala, do quarto.

Pilha a palavra
Troca a quantidade do
Assunto modal
A tensão está normal
O lábio fora da boca
A boca fora do mal

Os teus olhos
não são de gente
O teu ar foge para cima.
Tens a perna no cimento,
tens a mão no pensamento.

Ciclope, cicloturismo
Na parte de fora
na nesga do abismo
Imaginário que remete, para onde
ainda não fui.

Convite ao universo
Com a tua própria câmara
Fecho a luz num olho
Prego a tábua à sensação.

Som da casa, quando não estás.

Dancei para te ver aqui,
eu sei que nada mais pode me ajudar.
É do nono andar?
Sim, quis pedir ajuda, mas a língua estava morta.
Sei lá! Parei de olhar,
tenho uma corda acesa,
prestes a queimar.
Não és capaz de me levar a sério.
Vou saltar em teu lugar.

Sei que nada mais pode me ajudar.

Atrasa o passo
Leva o lenço à boca
Fica na mira do choque frontal
Não é doença é um animal
Um ruído feito no acto de fingir
seres mau, mesmo a dormir.

Dancei para te ver aqui,
eu sei que nada mais pode me ajudar.
É do nono andar?
Sim, quis pedir ajuda, mas a língua estava morta.
Sei lá! Parei de olhar,
tenho uma corda acesa,
prestes a queimar.
Não és capaz de me levar a sério.
Vou saltar em teu lugar
.


Posted at Thursday, November 11, 2004 by LyricMoods
Make a coment

Sunday, November 07, 2004
The Killers - All This Things That I've Done

Como hoje estava uma noite de nevoeiro, achei por bem dar uma de D. Sebastião e regressar à escrita aqui no meu cantinho. O tempo tem sido pouco para vir escrever qualquer coisa (e meteu-se a latada pelo meio), logo isto ficou um bocado parado. E agora dou por mim a pensar: o lyricmoods está já fez um ano e eu nem celebrei a data convenientemente. O que começou como uma ideia para me entreter num dia mais monótono transformou-se num lugar onde me sinto muito bem... Agradeço a todos os que por cá passaram, pois são um tónico essencial para a continuação do lyricmoods :)
Vamos então à musica... Do outro lado do Atlântico (Las Vegas) aparece-nos mais uma banda com ascensão meteorica: The Killers. Formados em 2002 (Brandon Flowers, David Keuning, Mark Stoarmer e Ronnie Vannucci), editaram o seu album de estreia (Hot Fuss) em Junho passado. O hype criado pelo single Mr. Brightside (já se sabe como é a imprensa inglesa nestes casos) levaram a que rapidamente este album tenha vendido que nem pães quentes, para alegria da Island Records). A minha opinião para com os The Killers é simples: cumpre os seus requisitos Pop, mas a nível de letra, conteudo, é fraco... E vocês perguntam então o porquê de estar aqui a falar deles? Porque têm um punhado de musicas que entram muito bem no ouvido (quero é ver quando isto começar a enjoar, vai ser bonito vai... já me estou a ver a apagar um certo post).
Ainda por cima o primeiro single de Hot Fuss, Somebody Told Me, foi uma das musicas que mais ouvi na rádio nas (mini) férias deste ano. Comparações a The Smiths,The Cure,ou New Order são um total exagero no meu ver, mas sempre são bem melhores que uns Oasis por exemplo (mas isso também não é dificil eheheh).
All This Things That I've Done é a lyric escolhida... mais posts brevemente :)





The Killers - All The Things That I've Done


 

When there's nowhere else to run
Is there room for one more song
One more song
If you can hold on
If you can hold on, hold on

I wanna stand up, I wanna let go
You know, you know - no you don't, you don't
I wanna shine on in the hearts of men
I want a meaning from the back of my broken hand

Another head aches, another heart breaks
I'm so much older than I can take
And my affection, well it comes and goes
I need direction to perfection, no no no no

Help me out
You know you got to help me out, yeah
Oh, don't you put me on the backburner, yeah
You know you got to help me out, yeah

And when there's nowhere else to run
Is there room for one more song
These changes ain't changing me
The cold-hearted boy I used to be

Yeah, you know you got to help me out
Yeah, oh don't you put me on the backburner
You know you got to help me out, yeah
You're gonna bring yourself down
Yeah, you're gonna bring yourself down
Yeah, you're gonna bring yourself down

I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier
I got soul, but I'm not a soldier

Yeah, you know you got to help me out
Yeah, oh don't you put me on the backburner
You know you got to help me out, yeah
You're gonna bring yourself down, yeah
You're gonna bring yourself down
Yeah, oh don't you put me on the backburner
Yeah, you're gonna bring yourself down
Yeah, you're gonna bring yourself down

Over and in, last call for sin
While everyone's lost, the battle is won
With all these things that I've done
All these things that I've done
If you can hold on
If you can hold on

 


Posted at Sunday, November 07, 2004 by LyricMoods
Comments (1)

Thursday, October 14, 2004
Hoje não há lyric #3 - Bandas Sonoras

O post de hoje já andava nas minhas cogitações à uns mesitos, mas por preguiça foi sendo passado à frente por outras coisas. Hoje decidi-me de uma vez por todas dedicar atenção a musicas de bandas sonoras. Gosto de bom cinema, nada de blockbusters e afins, e se existe algo que pode dar o toque especial a um bom filme é uma boa banda sonora. Como a sonoplastia se tornou um elemento chave para um bom filme, claro está que houve musicos que se especializaram somente nesta área. Nomes como Angelo Badalementi, John Williams, Thomas Newman, Ennio Morricone ou Hans Zimmer, são as grandes bandeiras deste tipo de artista que se dedica às soundtracks. Começando por Angelo Badalamenti, a sua ligação quase exclusiva a David Lynch é por demais evidente (Blue Velvet, Lost Highway, The Straght Story, Mulholland Drive) mas foi numa grande série de televisão que este senhor mais me marcou: Twin Peaks. É incrível como uma série que vi quando tinha 10, 11 anos ainda hoje está presente na minha memória, com a musica de fundo a soar. Jonh Williams é responsável por alguns clássicos neste campo (ET , Jurassic Park) e principalmente por toda a composição do Star Wars. Thomas Newman começou a destacar-se exactamente ao orquestrar uma das composições de Jonh Williams (The Return of Jedi) e quando passou a "independente" rapidamente se viu a sua qualidade (já tem quatro nomeações para melhor banda sonora nos Oscars, em filmes como The Shawshank Redemption ou American Beauty). Para não falar na série de TV Six Feet Under.
Falar de Ennio Morricone é falar do pai de todos os compositores de soundtracks. Tem um percurso grandioso com muitos westerns e não só (The Good, The Bad and The Ugly, Few Dollars More, Once Apon a Time in The West, Exorcist II, e claro Cinema Paraiso) tendo já trabalhado com Brian DePalma, Roman Polanski, Oliver Stone, Pedro Almodovar e muitos mais. Para terminar um nome recente (para além de yan Tiersen) Hans Zimmer que começou com a banda sonora do The Last Emperor (com a participação de David Byrne e Ruyuichi Sakamoto) e depois a lista é longa (Rain Man, Thelma & Louise, Lion King, Crimson Tide, The Thin Red Line). Muito fica por falar, mas... watch all's good moves, and listen allways good sounds ;)






Hoje Não Há Lyric # 3 - Bandas Sonoras



--» Air - Lost In Translation - Alone In Kyoto (2004)

--» Angelo Badalamenti - Music From Twin Peaks - Twin Peaks Theme (1990)

--» Ben Charest - The Trippletts Of Belleville - Belleville Rendez-vous (2003)

--» Dejan Sparavala - Black Cat, White Cat - Daddy Don't Ever Die On Friday (1998)

--» Ennio Morricone - The Good, The Bad and The Ugly - The Good The Bad and The Ugly (1966)

--» Hannz Zimmer - The Thin Red Line - Journey To The Line (1999)

--» Jonh Williams - Star Wars Triology - Main Theme (1983)

--» Malcom Arnold - Bridge Over The River Kwai - Main Theme (1995)

--» Michael Nyman - The Piano - The Promisse (1993)

--» Propellerheads - The Matrix - Spybreak! (1999)

--» The Kronos Quartet - Requiem For a Dream - Summer: Summer Overture (2000)

--» Thomas Newman - American Beauty - American Beauty (1999)

--» Thomas Newman - Six Feet Under - Six Feet Under (2001)

--» Yann Tiersen - Le Fabuleaux Destin D'Amelie Poulin - L'autre Valse D'Amelie (2001)


Posted at Thursday, October 14, 2004 by LyricMoods
Comments (3)

Wednesday, September 29, 2004
Rage Against The Machine - Bulls On Parade

Lembranças dos tempos do secundário fizeram-me lembrar uma história engraçada: 12º ano, aulas de inglês, turma de apenas 6 alunos, um professor novito e ainda por cima uma das aulas era no laboratório de quimica. O ambiente das aulas era quase sempre do estilo "conversa de café" que mesmo que não acreditem funcionava bastante bem. Certo dia foi-nos proposto escolher uma letra de uma musica (em inglês, evidente) para analisarmos numa aula: a escolha foi Bulls On Parade dos Rage Against The Machine. Evil Empire (1996) era um album que tinha bastante rodagem na altura (um dos grandes albuns da década de 90) e foi assim que estivemos 50 minutos de volta dessa letra.
Foi um pouco ai que me apercebi da carga politica inerente à escrita da banda composta por Zack de la Rocha, Tom Morello, Brad Wilk e Tim Commerford (fundados em 1991 e extintos em 2000). O mais comum na musica é a expressão de ideais de esquerda (perfeitamente natural porque são os que mais atenção dão aos aspectos sociais do nosso mundo) e os RATM eram figura central neste tipo de musica de intervensão. Entretanto o Zack acho que se meteu numa de carreira a solo, os outros 3 formaram mais o ex-Soundgarden Chris Cornell os Audioslave.
Uma visão muito crua dos problemas das familias mais carenciadas dos grandes centros urbanos, esta Bulls On Parade. Os rifs do Tom Morello, esses vão ficar para a posteridade, incrível !!!







Rage Against The Machine - Bulls On Parade


Come wit it now!
Come wit it now!
The microphone explodes, shattering the molds
Either drop tha hits like de la O or get tha fuck off tha commode
Wit tha sure shot, sure ta make tha bodies drop
Drop an don't copy yo, don't call this a co-op
Terror rains drenchin', quenchin' tha thirst of tha power dons
That five sided fist-a-gon
Tha rotten sore on tha face of mother earth gets bigger
Tha triggers cold empty ya purse

Rally round tha family! With a pocket full of shells
They rally round tha family! With a pocket full of shells
They rally round tha family! With a pocket full of shells
They rally round tha family! With a pocket full of shells

Weapons not food, not homes, not shoes
Not need, just feed the war cannibal animal
I walk tha corner to tha rubble that used to be a library
Line up to tha mind cemetary now
What we don't know keeps tha contracts alive an movin'
They don't gotta burn tha books they just remove 'em
While arms warehouses fill as quick as tha cells
Rally round tha family, pockets full of shells

Rally round tha family! With a pocket full of shells
They rally round tha family! With a pocket full of shells
They rally round tha family! With a pocket full of shells
They rally round tha family! With a pocket full of shells

Bulls on parade

Come wit it now!
Come wit it now!
Bulls on parade!
Bulls on parade!
Bulls on parade!
Bulls on parade!
Bulls on parade!


Posted at Wednesday, September 29, 2004 by LyricMoods
Comments (2)

Wednesday, September 15, 2004
Nina Nastasia - A Dog's Life

Sim, eu sou um daqueles gajos que ainda compra o Blitz e que leva bastante a sério as análises que os seus escribas fazem. Está bem que a net está repleta de boas análises, de boa informação, mas ler uma crónica na nossa língua pode fazer maravilhas, mais ainda quando confiamos totalmente em quem escreveu a analise a certo álbum.
Assim, quando vejo um álbum a levar 8/10 ou 9/10, neste jornal fico sempre com a pulga atrás da orelha. Foi assim que conheci Dogs, álbum de estreia de Nina Nastasia (datado de 2000 e re-editado este ano), Singer-Songwritter nova-yorquina sempre acompanhada da sua guitarra, desenvolvendo um Indie-Rock suave, autênticas baladas cheias de histórias curiosas. Para quem diz que ensaia na banheira do seu apartamento não está nada mal :)
Tenho ainda de fazer referência ao produtor deste álbum, Steve Albini, que já produziu entre outros Nirvana e Pixies, que sabe como ninguém ver onde brota talento, tendo feito uma aposta em cheio em Nina Nastasia. Pelas crónicas já lidas o 2º album dela é o seu melhor (The Blackened Air - 2002) vamos lá ver se se encontra disponível nas "lojas" do costume :) Nina tem uma particularidade na sua escrita: faz sempre alusão a dogs, metaforando o uso desta palavra, encaixando-a nos mais diversos contextos... a lyric que escolhi A Dog's Life, é bom exemplo. E às vezes é mesmo o que esta vida é... a dog's life... quem me dera ser gato, porque vida de gato é do melhor :)


P.S.- Parece que a Sofia (Lady Xanax) deixou a blogosfera... eu muito sinceramente espero que ela reconsidere, muita falta vai cá fazer. Recuso-me a dizer adeus... Um Até (muito) breve é o máximo que levas daqui ;)






Nina Nastasia - A Dog's Life


I had a dream about a dog
I was walking
In an amusement park
With people all around me

We rode the roller coaster rides
And he was laughing as we
Jumped in the sky
And i saw that i looked just like him

It's a dog's life
I wanna lead a dog's life
Run in the woods, take a hole
It's interesting to me

He showed me all the various
Scented treasures on the ground
There was a little girl
She was scared of me, and i was scared of her

He led out a bark and she screamed
Dropped her chocolate ice cream
Suddenly this old man
Chased us, still we jumped the fence

It's a dog's life
I wanna lead a dog's life
Under the couch, chew a bone
It's interesting to me

We ran across the street and there
We missed a speeding car
Suddenly this old man
Grabbed him, from around the park

I hid behind a big trash can
Wondered what's become of him
I tried to sedate
But curriosity kills me

It's a dog's life
I wanna lead a dog's life
Under a couch, chew a bone
It's interesting to me

It's a dog's life
I wanna lead a dog's life
Run in the woods, take a hole
It's interesting to me

It's a dog's life, i wanna lead
It's a dog's life, i wanna be
It's a dog's life, i wanna lead


Posted at Wednesday, September 15, 2004 by LyricMoods
Make a coment

Saturday, September 04, 2004
Nouvelle Vague - Love Will Tear Us Apart (Joy Division)

Vivemos actualmente numa fase em que recriar o que já foi feito é acto corrente. Muitas são as canções criadas à décadas atrás que são envolvidas numa nova roupagem (o mais normal são as remisturas electrónicas), mas como todos sabemos nem sempre o resultado é o melhor. Felizmente existem excepções, algumas com tão bom resultado final, tendo recriado por completo uma grande canção noutra grande canção... apenas o elemento comum fica intacto: a letra :)
De França surge então um conjunto de musicos/ produtores (Marc Collin e Olivier Libaux) que quiseram dar esse novo "look" a musicas sobejamente consagradas: os Nouvelle Vague. Pegar em temas dos Joy Division (Love Will Tears Us Apart), The Clash (Guns Of Brixton), Depeche Mode (Just Can Gat Enough), The Cure (A Forest), The Systers Of Mercy (Marian) ou Dead Kennedys (To Drunk To Fuck), que são maioritáriamente Rock e convertê-los em temas de Bossa Nova, com interpretações superiores de várias vozes femininas.
O resultado é simplesmente bombástico, porque apenas se aproveitou a base, tudo o resto foi alterado, dando lugar a um senhor álbum, sem duvidas dos melhores do ano, pela sua criatividade, pela sua ousadia, por ter resultado em cheio. Eu pelo menos fiquei totalmente rendido (à primeira audição, fez umas "3 piscinas" no meu leitor). Toca a arranjar este, que vale mesmo a pena, garanto. Como lyric, a lindíssima Love Will Tear Us Apart dos Joy Division.






Nouvelle Vague - Love Will Tear Us Apart (Joy Division)


When routine bites hard
And ambitions are low.
And resentment rides high
But emotions won't grow.
And we're changing our ways
Taking different roads.

Then love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.

Why is the bedroom so cold
Turned away on your side?
Is my timing that flawed
Every feeling run so dry?
Yet there's still this appeal
that we've kept through our lives.

And love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.

Do you cry out in your sleep,
All my failings expose?
Gets a taste in my mouth
As desperation takes hold.
Why is it something so good
Just can't function no more?

And Love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again... 


Posted at Saturday, September 04, 2004 by LyricMoods
Comments (6)

Tuesday, August 31, 2004
Wraygunn - Keep On Praying'

Para começar bem este retorno de férias, nada melhor do que falar (finalmente) no que para mim é o album nacional do ano. Eclesiastes 1.11 dos conimbricenses Wraygunn é qualquer coisa à parte, o bastante para arrasar por cá, e para ter pernas para triunfar pelo mundo fora (Deus queira). 
Com a sua formação remodelada, estes Wraygunn deixam completamente de lado as nuances Hip-Hopianas de Soul jam (já admitido por Paulo Furtado como um erro) para manter toda a postura Rock, os deliciosos riffs de Blues, e a doce voz de Raquel Ralha; adicionando ao cocktail um elemento fantástico: um coro gospel.
E agora fica aqui um sério aviso à população portuguesa: não ter ainda visto Wraygunn ao vivo é um erro descomunal, basta ver as reações ao ultimo concerto que eles deram em Paredes de Coura (...) Chega de lamúrias sobre a música portuguesa. Imponha-se a audição obrigatória de Wraygunn nas escolas. Faça-se de Paulo Furtado um modelo para futuros "Frontmen" de bandas rock (...) Encore com Furtado a tocar na lama, com o publico em delirio, ele que só queria ficar como eles, festejar como eles... ele é como nós, ele é o maior "Rocker" português, um "Rocker" à moda antiga e está tudo dito.
A passagem biblica que dá nome ao album é esta: “Já não há lembrança das coisas que precederam; e das coisas que hão-de ser, também delas não haverá lembrança entre aqueles que hão-de vir depois.” Eu só sei que me vou lembrar deste album para o resto da vida, das suas musicas, da sua vivacidade, de tudo... and I'll  Keep On Praying' for more. Amen !!!!   =)



    



Wraygunn - Keep On Praying'


[Furtado]
Gonna get me a girl, just to do like a squirrel
I'm gonna use like a lovin´ machine
I'm gonna get her right, gonna get her tight
I'm gonna take her down into my scene.

[Ralha]
I'm gonna get me a boy, just to use like a toy
I'm gonna meet him at the corner at nine
I'm gonna stay up late, gonna rule his fate
Gonna love him with sherry & wine.

[Chorus]
You gotta keep on prayin'
gotta keep on prayin'
When you´re down by the side of the road
You gotta keep on prayin'
gotta keep on prayin'
if you wanna get into my soul

[Furtado]
I need my jukebox wired
Need my body on fire
Need some blues on my rhythm & beats
Need my fingers bleeding, need my highschool readings
Need my tool on some beaten meat.

[Ralha]
Gonna break the rules, gotta find new tools
Gotta step right into your dream
Gonna haunt your sleep
I´m gonna get him deep
Gonna blast love into full steam.

[Chorus]
You gotta keep on prayin'
gotta keep on prayin'
When you´re down by the side of the road
You gotta keep on prayin'
gotta keep on prayin'
if you wanna get into my soul.
 
you gotta keep on, you gotta keep on…
 
 

Posted at Tuesday, August 31, 2004 by LyricMoods
Comments (1)

Tuesday, August 17, 2004
Propellerheads - History Repeating (Featuring Miss Shirley Bassey)

Uma questão que me atormenta muitas vezes é "mas onde é que estes gajos se meteram?". E é uma frase que encaixa em milhentas bandas que para ai andam. Ainda mais intrigado fico quando se está a falar de bandas/projectos que apareceram do quase nada, lançam um grande álbum, e desaparecem do mapa sem deixar rasto (os chamados hypes).
Como já devem saber sou um acérrimo defensor e utilisador de programas P2P (sou até um membro bastante activo dentro da comunidade portuguesa de eMule) e à umas semanas atrás tive a oportunidade de ouvir um album do qual só conhecia uma musica: Decksandrumsandrockandroll (1998) dos Propellerheads. A impressão que tinha deste duo britânico criado em 1996 (DJ Alex Gifford e DJ Will White) era muito boa, mas depois de ouvir todo o album fica então no ar a bela questão que referi no inicio deste post. É que mesmo não sendo algo de fenomenal, este album é bastante bom, estando numa onda muito parecida à dos Chemical Brothers. O arrepio ainda foi maior quando constatei que a grande musica do trailler do The Matrix é a Spybreak deste colectivo. Agora expliquem-me lá porque é que desde 1999 não existe nada editado por estes dois rapazes... se calhar não estarei a par de alguma coisa sobre a banda e se assim for tirem-me da ignorância se faz favor.
A tal musica que conhecia era nem mais nem menos History Repeating, musica com adornos bastante jazzy, ligados pela electrónica do duo, e claro, com uma interpretação superior da enorme Shirley Bassey... aqui fica.





Propellerheads - History Repeating (Featuring Miss Shirley Bassey)



The word is about, there's something evolving,
whatever may come, the world keeps revolving
They say the next big thing is here,
that the revolution's near,
but to me it seems quite clear
that it's all just a little bit of history repeating

The newspapers shout a new style is growing,
but it don't know if it's coming or going,
there is fashion, there is fad
some is good, some is bad
and the joke is rather sad,
that its all just a little bit of history repeating

.. and I've seen it before
.. and I'll see it again
.. yes I've seen it before
.. just little bits of history repeating

Some people don't dance, if they don't know who's singing,
why ask your head, it's your hips that are swinging
life's for us to enjoy
woman, man, girl and boy,
feel the pain, feel the joy
aside set the little bits of history repeating

.. just little bits of history repeating
.. and I've seen it before
.. and I'll see it again
.. yes I've seen it before
.. just little bits of history repeating

 


Posted at Tuesday, August 17, 2004 by LyricMoods
Comments (1)

Previous Page Next Page